domingo, 19 de agosto de 2007

Como tudo começou...

(Conjunto Experimental de Dança, 1992)



Tudo começou no final do ano 1991. Tinha chegado a Luanda há cerca de um ano vindo de Portugal e começava a desesperar por algum tipo de manifestação cultural numa cidade com muito pouco para oferecer além do clima e das praias (e das pessoas...). E foi então que vi na televisão local um spot a anunciar a realização de dois espectáculos do Conjunto Experimental de Dança (C.E.D.) no Teatro Avenida em Luanda.
Após a surpresa inicial em relação à existência de um conjunto do género em Angola resolvi preparar-me para aproveitar a ocasião e fazer algumas fotografias. No dia do primeiro espectáculo tive o cuidado em chegar cedo ao local de forma a obter autorização. Fui então encaminhado até à Directora Artística do C.E.D., Ana Clara Guerra Marques, que, no meio de toda a azàfama de bastidores, acedeu em conceder-me alguns minutos para informar que não seriam permitidas fotografias com flash e movimentações em cima do palco ou em frente dos espectadores.
Na altura achei estranho estas advertências pois tinha-as como óbvias. Mas o certo é que nunca tinha assistido a qualquer género de espectáculo em Luanda e mais tarde compreendi a sua razão de ser...
E pronto, lá fiz as minhas fotos, tendo regressado no espectáculo seguinte para concluir o trabalho.
Depois desses dois espectáculos nunca mais ouvi falar do C.E.D. até que, alguns meses depois, conheci a bailarina Vanda Nascimento, uma das pessoas responsável pelo conjunto, perfeitamente por acaso numa praia. Após alguma troca de impressões fiquei a conhecer um pouco mais acerca do C.E.D. e claro falei das fotos que tinha tirado nos espectáculos do Teatro Avenida.
Alguns dias depois fui assistir ao regresso aos ensaios do C.E.D. , com as minhas fotos, e tive a oportunidade de conversar e conhecer melhor a sua directora, Ana Clara.
A partir desse dia começou a minha colaboração... Algumas semanas mais tarde comecei a trabalhar no cartaz e programa que o C.E.D. havia de levar à expo 92 de Sevilha, dando assim inicio à minha carreira profissional como designer gráfico e fotógrafo.
Mais tarde vim a tornar-me um dos membros fundadores da Companhia de Dança Contemporânea de Angola, mas isso são outras estórias...

2 comentários:

Phwo disse...

Pois foi...

Anónimo disse...

E danka. Por teres "acedido em conceder" o tempo necessário para me tornar no fotógrafo de dança contemporânea angolana k sou (ainda) hoje...


Rui Tavares